Notícias

Debate em Parelheiros trata do papel da juventude para o desenvolvimento sustentável e o fim da pobreza

A ação integra as comemorações do Dia Internacional da Juventude (12) e faz parte de uma ação global em torno dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável entraram nos debates de grupos de jovens em todo o mundo como forma de celebrar o Dia Internacional da Juventude, comemorado em 12 de agosto. As ações foram organizadas por instituições e coletivos parceiros na campanha Action 2015, que tem a meta de mobilizar pessoas em torno dos recém deliberados ODS, pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Em São Paulo, cinco organizações (Abong, Engajamundo, Ibeac, Viração e a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura) se reuniram em uma tarde de atividades com adolescentes e jovens de 13 a 29 anos, em Parelheiros, zona sul de São Paulo. A ação foi uma forma de lembrar a data e promover um intercâmbio de ideias sobre o desenvolvimento sustentável, o fim da pobreza e o papel do jovem.

As atividades foram divididas em dois momentos. O primeiro, uma roda de conversa sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, tratou dos mais diversos temas que fazem parte dos 17 objetivos e 169 metas. O segundo foi um jogo interativo com questões que falavam sobre igualdade de gênero, juventude, mudanças climáticas, agricultura e pobreza, entre outros. Quem acertasse perguntas como “No mundo, uma média de quantas pessoas ainda sofrem com a insegurança alimentar (fome)?”, com múltiplas opções de respostas, tinha direito ao “quit ativismo”, contendo lambe-lambes, stencil e um fanzine (jornal artesanal) sobre os objetivos.

IMG_3978

Jovens personalizam suas camisetas com o “quit ativismo”.

Sobre a juventude

Três convidados, que acompanham negociações e conferências internacionais, mediaram a conversa: Rafael Fernandes, do coletivo Clímax que debate questões climáticas, Mark Lutes, da WWF, organização global sobre meio ambiente, e Raquel Rosemberg, do Engajamundo, grupo que existe há dois anos na formação de jovens para atuar e fazer incidência política nas conferências internacionais.

Raquel iniciou o debate falando sobre duas questões que prejudicam a participação da juventude em ambientes de decisão e formulação de políticas. O primeiro é o desinteresse da própria juventude e o segundo é a inexistência de espaços que levam em consideração as vozes da juventude. “Foi durante a Rio+20 que percebemos que não poderíamos ficar de fora desse debate. Agora, queremos incentivar os jovens a participar”, explica. Débora Souza, outra integrante do “Engaja”, como é carinhosamente chamado, complementou o debate ao informar que o termo “jovem” aparece relacionado a apenas dois ODS, “o que trata de educação e o que fala de emprego seguro”, ranqueou.

Mas além de querer participar, os jovens precisam entender e conquistar esse direito. De acordo com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em 65 países em todo o mundo, mais da metade da população tem menos de 24 anos e tirar dessas pessoas o direito de participação em tomada de decisões é uma grave violação dos seus direitos humanos e uma falha no processo democrático.

Bruno Souza é um jovem que integra os “Escritureiros” (jovens voluntários que desenvolvem atividades de incentivo à leitura) da Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura, de Parelheiros. Para ele, é muito complicado como as decisões ainda chegam para os jovens, principalmente das periferias. “Debatem ‘lá’ e trazem as coisas pra ‘cá’, como se a gente não soubesse nada”, contexta. Bruno e outros jovens da comunidade concordam que alterar esse modo de fazer vai pedir muito esforço, pois representa uma mudança de cultura, tanto nos espaços que não aceitam a participação da juventude, como da própria juventude, em reconhecer seu papel e transformar essa realidade.

Ao apresentarem a biblioteca comunitária, os jovens de Parelheiros deram uma aula sobre desenvolvimento sustentável: as paredes coloridas internas são de tinta feita com terra, existe uma cisterna para captação e aproveitamento da água da chuva, as telhas são de PVC reciclado, a horta orgânica já produz algumas hortaliças para consumo e o local onde aconteceu a roda de conversa foi feito com “super-adobe” (uma técnica de permacultura). “Parelheiros é área rural, pólo de ecoturismo, área de preservação, mas os jovens daqui pensam que legal é ganhar dinheiro e morar no centro de São Paulo. O jovem não vê que estar em Parelheiros é muito maravilhoso e que aqui temos muitas oportunidades de viver, trabalhar e se desenvolver”, articula.

Horta orgânica da Biblioteca Comunitária.

Horta orgânica da Biblioteca Comunitária.

Sobre mudanças climáticas, Mark Lutes, da WWF, lembrou que esse ano haverá outra importante conferência, em Novembro, em Paris, a Cop 20. “As negociações que começaram em 1990 avançaram pouco. Os países querem evitar compromissos e não vão fazer nada se as pessoas não pressionarem a fazer políticas públicas. Por isso a necessidade de participação da juventude”, argumentou.

De certa forma, a maior parte dos jovens reconhece que o grande desafio frente ao ODS será traduzir o texto para uma linguagem que faça sentido para as pessoas e as comunidades, incentivando cada um a deixar o ponto de conforto e atuar também.

O representante da juventude de Parelheiros na Coordenadoria de Juventude de São Paulo, Alenildo Almeida, que participou do debate, falou da importância do jovem na política. Na sua avaliação, o jovem, principalmente aquele da periferia, tem pouco espaço e precisa conquistar esse “território” político. “Falta força da juventude nas periferias. Se a gente não se organizar e ocupar as políticas públicas, será difícil caminhar”, analisou.

E essa realidade a respeito da relação juventude e política ainda é muito preocupante. Em torno de 16% da população do mundo tem entre 20 e 29 anos, mas essa faixa etária representa apenas 1,6% de parlamentares, dos quais a maioria são homens, de acordo com o UNFPA. A carta publicada em função do dia 12, pelo fundo internacional, também enfatiza que a juventude raramente adere a partidos políticos e a maioria não vota em eleições.

#jovempresente #action2015 #youthpower #beyond2015

“A noção que temos sobre o que é desenvolvimento é muito confusa. É comum ver jovem de Parelheiros querendo que derrubem árvores e construam um shopping. É claro, é isso que a TV e a sociedade pensa que é legal. Então o jovem que nasce aqui não tem como objetivo viver aqui. Quer estudar, ganhar dinheiro, comprar um carro e viver no centro de São Paulo”. (Bruno Souza, 25 anos, integrante do grupo de jovens voluntários da Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura, os Escritureiros).

Anúncios

Um pensamento sobre “Debate em Parelheiros trata do papel da juventude para o desenvolvimento sustentável e o fim da pobreza

  1. Sou Guineense da Guiné-Bissau como que eu posso fazer parte dessa Comunidade Juventude Parelheiros. A vossa preocupação também se ferifica aqui em Bissau maioria dos jovens são passivos, que exigem não fazem o seu papel.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s